Blog

Dores nas costas e atividade física

A lombalgia, também chamada de dor lombar, é extremamente comum (uma das principais causadoras de dores nas costas) e chega a acometer 80% da população mundial entre jovens, adultos e idosos.

O Diagnóstico da Lombalgia é feito através de uma boa anamnese e exame físico do paciente complementado por exames de imagem (Raio X e Ressonância Magnética).

A coluna vertebral é uma das principais estruturas que compõem o corpo humano. Ela tem a função de manter a postura corporal e garantir a mobilidade de todo o corpo. Em cada vértebra há pressão por conta do peso e da grande quantidade de movimentos.

Sobrepeso e hábitos posturais impróprios contribuem para o aparecimento das dores lombares. Elas podem ser agudas ou crônicas, primárias e/ou secundárias, com ou sem envolvimento neurológico e podem ter naturezas diversas, tais como: congênitas, neoplásicas (câncer), inflamatórias, infecciosas, metabólicas, traumáticas, degenerativas e funcionais.

Entre aqueles que são adeptos de algum tipo de esporte esse sintoma é ainda mais frequente podendo ocorrer em decorrência da prática inadequada de exercícios físicos ou mesmo por conta do mau condicionamento físico do praticante.

 

OUTRAS DOENÇAS PODEM CAUSAR A DOR LOMBAR

Algumas patologias podem simular a lombalgia, tais como cálculos renais, endometriose, aneurisma de aorta abdominal, processos expansivos abdominais, retroperitoniais etc. Daí a importância do diagnóstico de um profissional especializado em clínica e cirurgia da coluna. Na grande maioria dos casos o tratamento é não cirúrgico, mas demanda repouso, fisioterapia e medicamentos variados, dentre eles, anti-inflamatórios, analgésicos, miorrelaxantes dentre outros.

Os mecanismos de lesão da coluna lombar incluem forças de flexão, extensão, cisalhamento, torção e microtraumas repetitivos. Em geral há combinação de forças produzindo a lesão. Pode haver lesões de partes moles, disco intervertebral (ex: hérnia de disco) e osso (ex: fratura). As lesões das partes moles são as mais comuns ocorrendo em músculos e ligamentos.

 

COMO PREVENIR E TRATAR AS DORES NAS COSTAS

Você pode prevenir a lombalgia fazendo exercícios de alongamento associados a outros tipos de treinos observando as posturas corretas no dia a dia. Outra forma de prevenção é através dos exercícios de fortalecimento, que além de evitar possíveis dores, mantêm o tronco ereto o suficiente para suportar a pressão na coluna causada pelo impacto das passadas. Bons exemplos são: por meio de academia, pilates, RPG, fisioterapia, exercícios livres dentre outros.

Alongamentos evitam dores nas costas

Quando o assunto, porém, é tratamento da lombalgia no esporte, questões comuns como qual tipo ideal de exercício físico: flexão ou extensão? Exercício aeróbico ou musculação? Quando liberar carga? Qual o melhor tipo de reabilitação para cada modalidade esportiva? são perguntas frequentes no tratamento do atleta com lombalgia.

Repouso absoluto costumava ser a abordagem inicial no passado, no entanto, programas de reabilitação precoce mostraram uma eficácia superior e menor perda de rendimento do atleta. O repouso no leito leva à fraqueza e perda de função biomecânica, além das complicações pela diminuição da flexibilidade. O objetivo é diminuir o processo inflamatório e a dor e permitir o retorno à prática esportiva.

Um programa de reabilitação deve ser iniciado tão logo a dor do paciente permita. Restaurar a força e a flexibilidade do tronco além de buscar uma melhora das condições gerais do paciente consiste no próximo passo. A inatividade promove diminuição do condicionamento físico, fraqueza relativa, diminuição da flexibilidade e pode comprometer a área lesada. Portanto a reabilitação deve ocorrer de forma precoce. Esses princípios defendidos para atletas também valem para trabalhadores braçais e atletas de final de semana. O ponto crucial de um programa de reabilitação seguro e efetivo baseia-se em uma posição para possibilitar o fortalecimento isométrico da coluna.

Portanto, se a lombalgia é um problema que lhe acomete, faça uma boa avaliação e bata um bom papo com o médico especialista em clínica e cirurgia da coluna não apenas para ter um diagnóstico a respeito, mas também para entender e participar ativamente do seu tratamento obtendo assim, excelentes resultados.